sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O Manto Negro

O manto negro desce a rua
Eu queria que você também o visse
Apareça na janela
O sol ainda não nasceu
E o manto negro está passando
Por de baixo das marquises

Atrase o tempo do relógio
O sol aquecerá um pouco menos
E o homem que vem deslizando na calçada
Vare a rua com seu manto negro
Flutuando em sua cabeça,
Atrás da capa, um chapéu preto

Querida, desligue o ventilador
Estamos dando voltas no seu teto
Porque o manto negro está passando
E devemos ter cuidado
As estrelas estão caindo
E a cidade agora está no universo

Cuidado com as ruas infinitas
Há abismos nas esquinas
Entre em nossa casa interstelar
E devagar nós vamos viajar
Atravessar a quadra,
Pular dentro do mar

O manto negro deslizando no asfalto
Um pedaço do sol iluminando o espaço
O homem misterioso circulando fora de órbita
Como um grande cometa flamejante
Desabrochando pelas nossas ruas
E os amantes dormem abraçados

Deite no parapeito do universo para ver,
As estrelas brilhando fora da sua janela
O manto negro já vai partir, então atrase,
Seu relógio para a hora do anoitecer
Aproveite o universo fervilhando lá fora
O cara estranho está voltado para casa

Venha para a sombra distorcida então
Temos o tempo atrasado do relógio para nascer
Olhar o sol que vem brilhando
Nossas mãos estão tão juntas,
E o manto negro já partiu,
Levando parte da nossa rua

Nenhum comentário:

Postar um comentário