sexta-feira, 20 de maio de 2011

Judas!

Eu estou sentado, andando, pensando, meditando, sendo um otário solitário que imagina uma revolução por segundo. Eu estou pensando sobre Bob Dylan porque eu estive escutando Bob Dylan. Não há porque eu esconder ou negar que sofro uma idiota influência da carreira artística deste senhor de 70 anos, - à se completar agora dia 24/05 - mas prefiro entender que isso é como uma salada de fruta, só que de carne. Com as entranhas e as vísceras do cara e algum tempero tropical e pitadas latinas, com cobertura oriental e óleo pútrido das ruas.
Tenho só que me concentrar um pouco, terminar meu trabalho, ir embora. Isso é uma tarefa árdua. Tento me alienar um pouco dessa situação toda, mas eu passo os olhos no jornal, eu ouço o burburinho do corredor, eu entendo um pouco mais acerca deles e eu vejo a estupidez nadando nas águas subterrâneas do serviço público.
Olho pra janela e tem um sol de inverno batendo legal nas árvores que balançam com o vento e eu trancado ao som de conversas paralelas sobre greve, planejamento, metas. E eu olho para meus tênis, que trazem as marcas de várias estradas e de vários caminhos sem sentido e não consigo entender o porquê disso. Será que eles caminharam tanto assim para saber como é o mundo lá fora? Fora dos esgotos?
Pediria meu violão e minha gaita, minhas canções e um bom tempo de descanço agora. Sem remuneração. Sem encomodação. Mas com seguro contra acidentes e um pouco de crédito na praça, pra poder me ligar mais nisso tudo. Só que eu não ligo a mínima pra o que eles estão fazendo lá dentro.
Eu realmente não ligo a mínima pra tudo isso, eu simplesmente não me importo. Tento não ler jornais, tento conversar de politica na lanchonete, tento não dizer "olá, tudo bem companheiro?" para os comunistas.
Só fico cansado as vezes dessa carnifinica. Mas aprendi a nadar numa pscina de sangue. Sou meu próprio colete salva vidas.
Feliz aniversário Bob Dylan, me convide pra um show seu. Não é assim que as coisas funcionam? Eu estou cansado de me sentir encomodado com a televisão também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário